Combater bactérias resistentes com extratos de castanha

Combater bactérias resistentes com extratos de castanha

Extrato de castanha como alternativa antibiótica
Durante anos, especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertam para o aumento da resistência a antibióticos. Inúmeros laboratórios de pesquisa em todo o mundo estão procurando alternativas aos medicamentos comuns. Agora, cientistas dos EUA conseguiram resultados impressionantes com ingredientes de castanhas doces.

A resistência aos antibióticos é avisada há anos
Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertam há muito tempo sobre a progressão da resistência a antibióticos. No passado, essas drogas eram principalmente a primeira escolha para doenças como pneumonia ou cistite, muitas delas dificilmente são eficazes atualmente. A OMS havia alertado alguns meses atrás que uma era pós-antibiótica sem armas contra infecções poderia ser iminente. Inúmeros cientistas em todo o mundo estão procurando alternativas. No final do ano passado, pesquisadores da Suíça relataram que poderiam usar lipossomos para desenvolver uma possível alternativa aos antibióticos. E cientistas americanos agora relataram resultados promissores com castanhas.

Extrato de castanha como possível alternativa antibiótica
Agora, cientistas de Cassandra Quave, da Universidade Emory, em Atlanta, têm grandes esperanças quanto aos ingredientes da castanha. Na revista "PLOS ONE", os pesquisadores escrevem que foram capazes de demonstrar que um extrato da planta não apenas combate os germes de MRSA, mas também impede o desenvolvimento de resistência. Segundo a informação, o extrato consiste em 94 ingredientes diferentes, principalmente de componentes à base de ursanos e oleananos, pertencentes às chamadas saponinas. Essas substâncias provavelmente servem como defesa contra plantas, por exemplo, contra ataques de fungos ou insetos.

Não é prejudicial para a pele humana
Juntamente com seu colega Alexander Horswill, da Universidade de Iowa, Quave conseguiu mostrar no estudo que o extrato priva as bactérias da espécie Staphylococcus aureus de sua capacidade de se comunicar. Isso bloqueia completamente a produção de toxinas. Uma dose única de 50 microgramas da droga foi suficiente para curar feridas infectadas por germes na pele de ratos, relataram os pesquisadores. Segundo as informações, o extrato não perdeu atividade ao longo do tempo, nem os patógenos se tornaram resistentes. Como mostraram os testes em células da pele humana, as substâncias não são prejudiciais à pele. Os cientistas já solicitaram uma patente. Eles esperam que um dia o extrato de castanha seja reconhecido como um medicamento e possa ajudar as pessoas. (de Anúncios)

Informação do autor e fonte



Vídeo: Aula 20: Resistência BacterianaSuper BactériasAntibióticos - Aula de Biologia, ENEM e Vestibulares